Novo MINI Cooper S (na versão Classic) já andou por Portugal
Fim de linha para o Mini Clubman

A artista Lakwena usou um Mini Recharged para uma obra de arte cheia de cor

By on 17 Setembro, 2022

A Mini usou um dos seus clássicos Recharged para um projeto conjunto com a artista Lakwena Maciver, transformando este modelo numa espécie de embaixador deste projeto de cariz mais sustentável para a marca.

O projeto Mini Recharged, apresentado no início deste ano, tem a missão de fazer os ‘Mini’ mais antigos regressar à estrada, através de uma conversão para um sistema elétrico. É uma ideia fantástica, que retira do carro o seu motor de combustão e diversos outros elementos, guardando-os como se estivessem num museu. E em troca, é instalado um motor elétrico e uma bateria, permitindo que este modelo mantenha toda a sua imagem clássica, mas deixando de ser poluente.

E agora, um pouco com o objetivo de dinamizar um pouco a família Recharged da Mini, que até já teve uma unidade desenhada com a ajuda de Paul Smith, a marca esteve a colaborar com a artista Lakwena, dando origem a uma obra de arte cheia de cor e “Big Love” que, no fundo, é o que todos acabamos por sentir pelo pequeno modelo da Mini. Mas, de forma a interpretar esta decoração da melhor forma possível, o melhor foi mesmo deixar a própria artista responder a algumas perguntas e dar-nos a sua opinião.

Lakwena, aqui está: o seu Mini clássico eletrificado, a sua obra de arte. Qual é a sensação? “Achei incrível. Foi tão bom ver as cores todas a funcionar, o interior, o exterior. Vi apenas pedaços deste Mini à medida que avançávamos. Mas ver tudo junto, agora, é simplesmente incrível”.

Deve ser muito especial ver a sua arte neste Mini. “É tão especial. Porque tudo começou com um desenho. E isso era apenas eu a imaginar como gostaria que o carro ficasse, quase como um carro de sonho. Apenas o esboço com a minha caneta e o meu lápis no papel. Mas vê-lo agora em carne e osso é incrível”.

O Mini clássico é muito icónico e a sua arte é muito ousada. Não será isso um pouco de choque? “Penso que há um choque e ao mesmo tempo alguma harmonia. Gosto do facto de o Mini ser este carro icónico e clássico e todos esses detalhes ainda se mantêm; não escondemos isso nem pusemos plástico em cima dele. Portanto, o original ainda lá está, mas injetámo-lo com um pouco de cor. Na realidade, penso que o choque até funciona”.

Será que a sua visão pessoal se depara? “Sim, sinto que tem a minha visão pessoal. Começou como um desenho, mas voltando atrás e olhando para ele, parece que há muito de sonho nele. E isso não é algo que eu pretendia necessariamente. Mas ver toda aquela cor e todo aquele padrão e apenas a ‘vibe’ do carro – leva-nos para outro mundo. Porque estamos habituados a ver um carro como algo bastante prático, pintamo-los com cores escuras, para que não apareça sujidade, mas ver algo tão vibrante parece-me bastante fantástico – por isso estou realmente feliz com isso”.

Faz parte do projeto MINI Recharged que se concentra na conversão de carros elétricos – os Minis clássicos são transformados em elétricos graças a uma nova tecnologia. Quais são as suas ideias sobre sustentabilidade? “Estou realmente feliz por fazer parte deste projeto, porque me parece muito importante. Está realmente a responder ao que o nosso mundo precisa neste momento, que é uma mudança real. Mudanças que se afastam das coisas que prejudicam o ambiente, para coisas que são sustentáveis. Estou apenas feliz por fazer parte dele porque é genuinamente significativo. Vai fazer a diferença. E também o facto de grandes marcas como a MINI estarem a fazer mudanças é realmente poderoso porque vai ter um grande impacto sobre outras na indústria”.

Mobilidade sustentável – o que é que isso significa para si? “Acho que movermo-nos e conduzirmos sem causar danos ao ambiente, de uma forma que sustente o nosso ambiente, em vez de o danificar, é algo que podemos fazer para que o problema não continue a existir. Para garantir que o mundo será bom e saudável para os nossos filhos e netos e para o futuro. Portanto, trata-se de fazer mudanças que sejam boas para o ambiente”.

Flashback: Uma manhã gelada de fevereiro em Bicester, uma cidade perto de Oxford. A oficina de pintura, onde nos encontramos hoje, está situada numa garagem, ao lado de uma zona rural. Uma oficina típica de mecânica. Lakwena viajou desde Londres para examinar como os pintores profissionais aplicaram o seu conceito de cor à carroçaria deste Mini clássico. E para ver o efeito que o seu desenho tem. Os pintores disfarçaram e borrifaram cuidadosamente cada risca, cada padrão caleidoscópico, à mão. Aqui nada é automatizado. Os pintores Jamie e Alex tiveram três semanas de trabalho duro, muitas vezes durante a noite. Lakwena passa os dedos sobre a pintura colorida dos carros, as molduras das portas cor-de-laranja amarelada e o tejadilho azul-celeste.

Lakwena, há algum detalhe que lhe agrade particularmente? “Gosto muito das mãos na frente. É uma das minhas partes favoritas. Parece, mais uma vez, que o leva para outro lugar. Penso que é um detalhe muito bem-sucedido. Mas ter as mãos aí, apenas acrescenta uma camada diferente de significado. Que se pode desembrulhar”.

Pode falar-me um pouco sobre a ideia de ter os slogans no carro “Temos um ‘Big Love’ de ambos os lados. Na frente diz ‘We are here’ e atrás diz ‘you were there’. Fala de viajar, fala de migração. Há uma frase bem conhecida que diz, ‘we are here because you were there’. Fala do colonialismo e do império e de tudo isso. Da migração. Do facto de a cultura britânica ser tão influenciada pelas viagens que muitas pessoas fizeram e de pessoas de antigas colónias estarem todas neste país. Das diferentes formas que temos enriquecido a cultura. A cultura é esta trapalhada de coisas diferentes. E eu penso que é uma coisa muito bonita, algo que eu quero celebrar. E quero celebrar todas as diferentes viagens que as pessoas têm feito e que as trouxeram a este lugar”.

Um Mini também fez parte da viagem da sua família. “A minha família tinha um Mini no passado, e a minha irmã mais velha aprendeu a conduzir num Mini clássico. Então o meu pai ensinou-a, e ela e ele estariam na frente, e eu e os meus irmãos estaríamos atrás. E éramos apenas o seu público quando ela estava a aprender a conduzir”.

Se pudesse viajar com o carro, para onde o levaria? “Se eu pudesse viajar com o carro, precisaria de um modo de voo, para que eu pudesse ir para as nuvens”. Para onde voaria? “Talvez para as terras altas da Etiópia, que para mim é um lugar muito especial”. Porquê? “Gosto do facto de ter essa mitologia. Penso que são os ‘Rastafaris’ que acreditam que era aqui que o Éden estava. Eu não acredito necessariamente nisso, mas gosto da natureza mítica disso. E para mim foi um lugar muito feliz quando cresci lá em criança. Parecia quase um momento dourado na minha vida. Portanto, a Etiópia vai ser para sempre um lugar especial para mim”.

Vamos resumir o projeto. O que é que significa para si? “Sinto-me muito honrada por poder ter a minha obra de arte num Mini clássico. Porque é um ícone da cultura britânica e estou realmente orgulhosa disso. É a coisa mais significativa para mim. É simplesmente incrível ter isso. Tem tanta história; toda a gente conhece o MINI como uma marca para poder colaborar com eles, e não ter apenas uma parede para colocar as minhas imagens. Poder fazê-lo num carro, é incrível. Por isso, estou realmente feliz”.

Como é que as pessoas devem reagir ao carro? “Espero que elas sintam o calor. Espero que tenham um sorriso na cara quando olharem para ele. Porque o objetivo é realmente elevar e, para resumir, é uma celebração da cultura e da cultura britânica. É isso que eu gostaria que fosse visto”.

A unidade escolhida para este projeto foi originalmente construída em 1986 e escolhida especificamente pela marca por ser o mesmo ano de nascimento de Lakwena. A versão Recharged usa um sistema com um motor elétrico de 98 cavalos, que permite uma autonomia máxima em torno dos 160 quilómetros.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)