Audi A3: Conheça os preços para Portugal
Audi Q6 e-tron 50: Tração traseira e mais autonomia

Para onde ruma a estratégia do design da Audi?

By on 11 Junho, 2023

Como é que a Audi Design se está a desenvolver para o futuro? Como é que o definiria? Quem o revela é Claus Potthoff, Chefe de Estratégia de Design da Audi Design.

Claus Potthoff é um designer de produtos e veículos e trabalha para a Audi há mais de três décadas. Em 2011, tornou-se Diretor de Estratégia de Design e criou este departamento.

Claus, o que significa realmente o termo estratégia de design?

A estratégia de design é um tema muito complexo. Começa-se por pensar na forma como o design se vai desenvolver no futuro. Qual será o aspecto do design, tendo em conta as futuras mudanças sociais; estou a falar da importância do design num sentido mais lato. Mas a estratégia de design também tem a ver com a forma como concebemos os nossos produtos, com o planeamento antecipado e a previsão de como os conceitos dos veículos e a linguagem de design irão mudar.

Tudo isto se baseia na nossa filosofia de design: Qual é a nossa orientação geral?

Há alguns anos, definimos a nossa máxima: concebemos experiências e não apenas produtos. O produto enquanto tal é apenas uma parte da experiência de design. As novas tecnologias, a comunicação e a digitalização estão a determinar cada vez mais a conceção e, acima de tudo, a utilização dos veículos.

Por isso, já não basta desenhar a forma, é preciso também desenhar o ambiente, ou seja, as experiências que acompanham o veículo.

Gosto de o comparar com o meu smartphone. Tem um design de produto clássico e bonito. Mas o foco está nas suas funcionalidades, nas experiências que permite, na forma como muda a sua vida. No mesmo sentido, as experiências também terão um impacto muito maior no veículo no futuro. Por isso, é importante planear com antecedência, determinar o nosso caminho e como queremos desenvolver a nossa estratégia. O conceito Audi activesphere, por exemplo, é um ótimo exemplo deste tipo de experiência.

Mas uma experiência é bastante abstrata, não é um elemento de design visível ou tangível.

Também no design clássico existe, naturalmente, o conceito de experiência. A experiência estética de ver um carro bonito, as suas proporções, a sua dinâmica. E no interior, experimenta-se a sua qualidade, tocando nas superfícies e sentindo o seu valor. Isto também oferecerá aos nossos clientes um certo tipo de experiência, apelando às suas emoções. Mas estas experiências serão reforçadas por meios digitais, que não são, de facto, tangíveis. Os ecrãs e a conectividade no interior do veículo estão a colocar exigências totalmente novas à interface e à experiência do utilizador. Por um lado, os ecrãs e as superfícies de projecção estão a ocupar cada vez mais espaço no interior do veículo. Mas a digitalização está naturalmente a mudar a forma como um veículo é operado, a forma como a informação é tratada dentro de um veículo. É por isso que lhe chamamos Design de Experiência. Sentimos que é muito importante que se possa continuar a sentir o padrão premium que é típico da Audi.

Nos últimos anos, a Audi tem apresentado repetidamente veículos conceptuais. De 2017 a 2019 foram os conceitos AI e agora são os quatro veículos conceptuais Sphere. É esta a vossa abordagem ao futuro, para descobrir e ver como as pessoas reagem a eles?

Sem dúvida. Os quatro veículos com IA de 2017 a 2019 mostraram como a percepção dos automóveis está a mudar quando a condução automatizada se tornar uma realidade e as pessoas deixarem de ter um veículo, passando apenas a utilizá-lo. Foi por isso que concebemos quatro casos de utilização e criámos um veículo com as mais recentes tecnologias para cada um deles. Avançámos muito no futuro, talvez 30 anos. Queríamos explorar as diferentes utilizações dos veículos, uma vez que fomos tão longe no futuro.

Já com os quatro modelos Sphere, quisemos estar mais próximos dos veículos que vamos lançar no futuro. Porque, em termos tecnológicos, temos os meios para lançar esses veículos no mercado numa altura muito anterior, não são tão radicais, mas mostram o que o futuro nos reserva.

Com os nossos veículos conceptuais, estamos a passar de um futuro distante para o presente, incorporando inspirações futuras para demonstrar o progresso nos nossos conceitos e na nossa linguagem de design.

Será que em breve os veículos terão um aspecto mais futurista? Ou o design é um processo evolutivo?

De facto, tenho dificuldades com o termo ‘futurista’. Alguns dos nossos estudos eram muito futuristas. E quanto mais nos aproximamos do momento em que esses estudos foram projetados, mais a linguagem de design evolui nessa direção.

Na Audi, preferimos um desenvolvimento contínuo mas dinâmico do design. Porque queremos manter a ligação entre o que é hoje e o que será amanhã. Os nossos passos no design exterior são por vezes um pouco maiores e por vezes um pouco mais pequenos. Mas, aproximadamente de três em três ou de quatro em quatro anos, é possível reconhecê-los nos nossos novos modelos. Atualmente, muitos dos nossos veículos são muito emocionais e muito definidos por linhas claras. Estamos agora a dar um passo em direção a uma linguagem de design que é um pouco mais suave e mais fluida novamente. Estamos a reduzir o número de linhas, por assim dizer, trabalhando mais com volume e superfícies esticadas.

O nosso mundo é muito complexo, estamos constantemente expostos a tantas impressões visuais, por isso os veículos Audi devem ser um refúgio de calma. Queremos que o design dos nossos veículos toque as pessoas emocionalmente e crie experiências significativas para elas. O Audi RS e-tron GT e o Audi Q4 e-tron são veículos que já estão a avançar um pouco mais nesta direção suave. E esta tendência irá continuar nos próximos anos.

No início, disse que a estratégia de design também é moldada por influências sociais. Quais são os fatores mais importantes? Onde é que a Audi se inspira?

A questão mantém-se sempre: quais são as mudanças e possibilidades tecnológicas? Porque os desenvolvimentos neste domínio são muito dinâmicos. E depois a internacionalização é um grande tópico para nós, as principais influências dos três mercados. Há a Europa. Depois temos a América do Norte, que, como é óbvio, é bastante diferente em termos de mercado e de exigências dos clientes. E se aumentarmos o nível, temos a China, um mercado que se está a desenvolver a um ritmo muito rápido, muito mais rápido do que todos os outros mercados.

O nosso objetivo é mergulhar nestes mercados e regiões para descobrir o que é novo e o que será importante para os clientes no futuro. Em particular, a estrutura de clientes chinesa é completamente diferente. Os nossos clientes são muito mais jovens do que nos outros mercados. Muitos clientes de veículos de luxo são compradores pela primeira vez. Isto significa que abordam a ideia de um automóvel de forma muito diferente. Foi precisamente por isso que adotámos uma nova abordagem no desenvolvimento do Audi urbansphere concept, que apresentámos na China no ano passado, co-criando-o com recetores de tendências e potenciais clientes chineses especialmente selecionados. Envolvemo-los desde o início do processo de design e perguntámos-lhes: O que é que esperam de um conceito de veículo? Foi uma colaboração muito frutuosa e muito boa.

Isso significa que as influências progressivas dos clientes também têm um impacto na estratégia de design?

Sim, pode ver-se que o rápido desenvolvimento do mercado chinês já tem um impacto.

Será muito interessante ver como isto vai continuar nos próximos anos. É por isso que agora é uma altura muito empolgante para nós na área do design, pois determina a forma como desenvolvemos o nosso design, de modo a podermos realmente responder bem a estes novos requisitos.

Muito está a mudar também na área dos conceitos de veículos. Será que os estereótipos clássicos de um sedan, um hatchback, uma carrinha ou um SUV vão continuar a existir? Em termos de forma da carroçaria, há cada vez mais veículos híbridos. Estamos a acompanhar os tempos e temos muitas ideias neste momento.

Fonte: Audi

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)