Clássicos: Rocket, by Gordon Murray
Clássicos, Alpine Renault A110: Pequeno genial

Comprar carros Clássicos: Investimento ou dor de cabeça?

By on 5 Junho, 2024

Os Clássicos são um ponto fraco de muitos amantes de automóveis. Quantos já não sonharam em ter na sua garagem um carro que o fez suspirar na sua juventude? Ou até mesmo carros de outras eras, que conquistam pela sua beleza intemporal, ou caráter vincado?

Os clássicos, além de uma questão de paixão, começam a ser olhados como um bom investimento. Modelos impecáveis e bem escolhidos podem valorizar significativamente ao longo dos anos e trazer dividendos bem interessantes. Mas a escolha do clássico certo é fundamental.

O que é um clássico?

Para que um veículo seja considerado clássico, deve ter mais de 30 anos, mas nem todos são bons investimentos. Fatores como volume de produção, preço e aspetos da sua produção influenciam essa classificação. Carros que eram amplamente vendidos e acessíveis ao público em geral dificilmente são considerados clássicos hoje. No entanto, versões mais potentes, raras ou atraentes desses veículos podem atrair o interesse dos colecionadores.

Os compradores de carros clássicos dividem-se em dois grupos: os que visam lucro e os que buscam a experiência, usando os carros em ocasiões especiais. Muitos são enganados ao pensar que podem se divertir e depois vender por um valor alto, pois o uso pode desvalorizar o veículo devido a danos. Investidores geralmente preferem mantê-los em perfeitas condições, evitando avarias e acidentes. Clássicos precisam ser guardados em garagens secas, isoladas e com temperatura controlada, o que representa um investimento adicional.

Onde e como comprar?

Os países da Europa Ocidental têm uma cultura mais enraizada de carros clássicos, enquanto na Europa de Leste, muitos proprietários desconhecem o valor dos seus veículos antigos. Assim, comprar carros clássicos no exterior pode ser vantajoso, especialmente dentro da União Europeia, onde os veículos podem circular facilmente entre países.

Um carro raro cujo proprietário desconheça o valor é muito difícil de acontecer, mais ainda nos dias de hoje. Concessionários, sendo profissionais do setor, geralmente conhecem bem o que estão a vender, tornando os carros antigos bem conservados mais caros. Comprar de um concessionário é mais transparente, pois eles verificam os veículos antes da venda. Já comprar de um vendedor particular envolve riscos, pois é difícil saber imediatamente como o veículo foi mantido e conduzido.

Manutenção

Os clássicos de coleção frequentemente são recondicionados e repintados, mas para manter o seu valor máximo, devem permanecer o mais originais possível e em excelentes condições. Reparações baratas podem desvalorizar o veículo, especialmente se a manutenção for complexa e cara, como nos antigos modelos da Mercedes-Benz, que utilizavam controlos hidráulicos extensivamente. A busca por peças originais e reparações especializadas é comum.

A manutenção documentada é crucial para investidores, já que esses veículos podem ter um histórico antigo não digitalizado. Documentos são a prova de boa manutenção, mas podem ser falsificados. Investidores devem verificar esses documentos e, quando possível, inspecionar o histórico online usando o número VIN.

Comprar um clássico pode ser uma aventura tremenda. Pela positiva ou pela negativa. Se for apenas um investidor, terá de olhar a cuidados extra para rentabilizar ao máximo o que investiu, sendo apenas uma questão de somar e subtrair números. Se for um apaixonado pelo automóvel, o retorno do seu investimento poderá ser apenas o cumprir de um sonho. E cumprir sonhos não tem preço. Qualquer das vias é válida e implica custos e cuidados. O retorno, esse, depende sempre do objetivo final.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)