Audi: A4 passa a ser designado A5. Saiba porquê
Porsche reforça a gama Macan

Como identificar problemas pela cor do fumo de escape do seu carro

By on 28 Junho, 2024

Para garantir a longevidade do seu carro, é necessário estar atento aos sinais. Há, por vezes, pormenores que podem ajudar a identificar problemas que devem ser resolvidos. O fumo que sai do escape é também um sinal da saúde do seu carro.

O fumo libertado pelos tubos de escape de um automóvel em bom estado deve ser incolor. No entanto, em certas ocasiões, pode apresentar três cores diferentes: branco, azul e preto.

Fumo branco

O fumo branco é comum nos escapes dos automóveis e geralmente não é preocupante se for inodoro, leve e temporário, resultando de vapor de água por condensação em condições climáticas frias e húmidas. No entanto, se o fumo branco for denso e persistente, pode indicar uma avaria grave, como a entrada de água na câmara de combustão, possivelmente devido a problemas no motor ou na junta da cabeça. Segundo a Euromaster, as reparações podem custar entre 2.000 e 4.000 euros, dependendo do veículo.

Fumo Azul

Já o fumo azul no escape indica óleo queimado, causado por uma fuga no sistema de lubrificação. Esta falha pode ser grave e cara, podendo levar à avaria total do motor se o veículo ficar sem óleo. O fumo azul também pode resultar do desgaste das válvulas, vedantes, camisas dos cilindros, segmentos dos pistões ou problemas no turbo, aumentando o consumo de óleo e necessitando de verificação regular dos níveis de óleo.

Fumo Preto

O fumo preto ou cinzento-escuro no escape varia conforme o tipo de combustível. Em veículos a gasolina, pode ser devido a uma queima excessiva de combustível, possivelmente causada por avarias nos injetores, cuja substituição pode custar cerca de 1.000 euros. Em motores diesel, pode ser resultado de fuligem no filtro de partículas, que pode ser resolvido com uma viagem mais longa em altas rotações para completar a regeneração do filtro. Fumo negro persistente em motores diesel pode indicar problemas nos injetores, eletrónica, turbocompressores ou filtro de partículas, com reparações podendo chegar até 3.000 euros.

Imagem de Racool_studio no Freepik
Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)