Novo Audi e-tron GT: Performance eletrizante
Audi A3: Conheça os preços para Portugal

Audi e-tron e as estradas geladas da Noruega, relatados na primeira pessoa

By on 5 Março, 2022

Conduzir um automóvel elétrico em condições extremas pode representar um desafio extra, mas para uma família da Noruega que conduz um Audi e-Tron desde 2019, as histórias que ficam para contar têm sido bastante positivas.

Os invernos mais rigorosos são um dos testes mais exigentes que cada modelo tem de passar, especialmente quando se trata de um modelo elétrico, em que as variações de temperatura podem alterar o desempenho da bateria. Graças à ajuda de uma família norueguesa, que conduz um Audi e-tron desde 2019, foi possível reunir um conjunto de experiências que são, verdadeiramente, do mundo real.

Segundo Liselotte Lunde, “Queríamos um automóvel elétrico já há bastante tempo, mas não havia nenhum modelo que conseguisse satisfazer as nossas necessidades”. A família em questão é composta por dois adultos e três crianças, sendo que um automóvel teria de ter espaço suficiente para todos, mais a respetiva bagagem que, em algumas situações, pode incluir carrinhos de bebé, bicicletas, esquis e trenós.

Era necessário um modelo que os levasse onde precisassem de ir, mesmo no inverno, e sempre com um nível de segurança elevado. O primeiro automóvel que encontram com todas as características desejadas foi o Audi e-tron 55 quatttro, que compraram na Primavera de 2019.

“Para nós, era importante conseguir conduzir até à nossa casa da montanha sem ter de parar, mesmo no Inverno”, tal como nos diz Lunde. “A tração às quatro rodas elétrica do Audi e-tron transmite-nos segurança. Nunca estamos preocupados em não chegar ao nosso destino, independentemente das condições. E é especialmente importante para nós agora, com um bebé no banco de trás”.

“Além disso, é incrivelmente conveniente poder fazer tanto através da aplicação. Podemos ligar o aquecimento do habitáculo ainda antes de sairmos da cama. É fantástico poder conduzir num carro aquecido e livre de gelo e com um bebé na equação, torna-se muito mais fácil não ter de o trazer para o carro completamente embrulhado por causa do frio”.

“Se não tivemos tempo de usar o pré-aquecimento, usamos o aquecimento no volante e aquecemos os bancos para o máximo conforto desde o início de uma viagem. E nas viagens mais curtas, isto é suficiente”, diz Lunde. “O aquecimento destes componentes, como Lunde descreve, é uma dica inteligente para melhorar a autonomia em viagens curtas. Requer muito menos energia para aquecer as superfícies de contacto do carro no banco e no volante do que para aquecer o habitáculo inteiro”, explica Pierre Woltmann, que foi o responsável pelo desenvolvimento do controlo térmico da bateria de alta tensão do Audi e-tron.

Outra dica da família Lunde é utilizar sempre a navegação para as viagens um pouco mais longas. “Conduzimos sempre com navegação ativa até à casa de montanha, mesmo sabendo o caminho de cor”, diz Lunde. “Sem a navegação configurada com um destino, o sistema baseia a estimativa de alcance nos últimos 100 quilómetros percorridos. Com a navegação ativa, o cálculo da rota tem acesso à informação atual sobre a estrada em que vai conduzir e pode calcular o consumo de energia e uma autonomia mais real. Portanto, obtém a melhor estimativa de autonomia restante ao conduzir com navegação ativa. Se necessário, o sistema recomendará também uma paragem de carga, e incluirá o tempo de carga na estimativa da hora de chegada”, explica Woltmann.

Em 2019, quando compraram o e-tron, a autonomia era de 417 quilómetros, mas depois de uma atualização de software no outono de 2021, o valor passou para os 436 quilómetros. “Para o que precisamos, a autonomia foi sempre suficiente, mesmo no Inverno. Temos hipóteses de carregamento em casa, mas também na montanha, pelo que começamos sempre o dia com o ‘depósito’ cheio. Normalmente carregamos a bateria até aos 80 por cento, o que chega perfeitamente para a rotina diária e sem quaisquer preocupações de autonomia”.

“A aprendizagem mais importante da nossa transição para um carro elétrico é como é fácil na vida quotidiana. Inserir o cabo de carregamento quando estacionamos à noite e usar a aplicação ‘myAudi’ para definir as horas de partida são coisas que fazemos e que já não pensamos”, diz Lunde. Além disso, a família tem apreciado a experiência técnica que já obtiveram com o Audi e-tron: “Descobrimos que a Audi tinha feito um carro moderno e inteligente quando chegaram ao mercado EV”, diz Lunde. Desde a Primavera de 2019, até agora, no início de 2022, já percorreram mais de 30.000 quilómetros com o seu e-tron 55 quattro. “O Audi e-tron convenceu-nos realmente de que os carros elétricos funcionam, mesmo durante um Inverno norueguês. Este é o futuro e nunca mais iremos escolher outra coisa que não seja um carro exclusivamente elétrico”, conclui.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)